segunda-feira, 2 de março de 2009

LIVRO "BOM DIA - 61 NÃO-CRÔNICAS"


10 - Repente do eleitor

Caro eleitor de outubro,
a pressa não leva a nada;
Bin Laden ficaria rubro
se visse atrás da fachada
dos Poderes nacionais;
diz-se que as leis e as salsichas
são, em sujeira, iguais
e por trás das velhas rixas
somos buchas de canhão
a cada nova eleição.
Eles ficam com o poder,
nós, com a burocracia e o dever;
eles ficam com as passagens,
nós, com o verde imenso das pastagens.
Seremos assim tão burros?
(Outro dia, surpreendi-me aos zurros.)
Preciso de um projeto
que me preserve o teto.

Caro eleitor de repente,
não vá jogar na privada;
ao votar como um demente,
somas à besta quadrada
transfigurações de um crente:
chega de endeusar o voto,
política não é para devoto,
quatro, noves fora, nada.

Eleitor de ocasião,
sou mesmo um bobão:
a listagem das urnas
já vem com nossas urnas:
a esperança auto-enterrada,
a cidade encomendada,
já tudo bem decidido,
o naco distribuído
ao parlamento instruído,
quatro, noves fora, nada.

Votar em quem, eleitor,
tens razão, faço a pergunta:
o que seria pior
do cabelo à oitava junta:
sair de casa cedinho,
depositar-se na urna,
ou dormir o dia todinho
noutra ressaca noturna?
Se de amplas plataformas
cimentaram duas reformas,
quatro, noves fora, nunca.
(Do jogo da vida
não há saída.)

Mas não jogue na privada -
cuidado - a própria urna:
depois de lacrada,
ela pode ser muito mais soturna.

3 comentários:

ines disse...

Li, até com certo medo de ali, em mim esgotar-se o "poema",seu livro "Do Real Imaginado",é de certa forma, o oposto do que se vê em sua prosa.A poesia é bela(vejo sempre sua produção com uma individualide muito masculina).As palavras têm força, elas "pesam" e dão a excelência à poesia, surpeendentemente o livro é " delicadíssimo ","intimista", sensível".Há o peso sim , mas há algo de equilibrio , uma beleza que escorre pela "pedra"...Não há um poema a escolher ou a eleger, há o susto de reconhecer um estilo, de quem escreve e muito bem poemas.Seu "poeta" merece tudo...

edson coelho disse...

podicrê, cara inês. um troço desses lava a alma, na véspera do meu aniversário (6 de março). a poesia é dura, e o despertar a emoção e o pensamento são sua única paga. é, talvez, como usar o tempo contra ele.
valeu!

Carla disse...

" Um minuto a mais, nunca é mais sempre é menos", (FP). "O tempo tem tempo de tempo ser"!(RB). Esses relógios retratados por Dalí dizem bem como o tempo escorre em nossas vidas. Nós temos ainda um bom tempo, com ou sem 15 anos!!!
Beijos;
A tempo e a hora!!!!

Carla Vianna